Frente integrada assume compromisso de defesa do direito autoral

21/12/2010

Uma frente integrada em defesa do direito autoral moral dos compositores foi consolidada, na última quarta (14), saldo da audiência promovida pelo Ministério ...

Novo Prazo

30/11/2010

Edital de Estímulo à Gestão Coletiva de Direitos Autorais O Ministério da Cultura prorrogou até o dia 28 de fevereiro o prazo final para o envio ...

Congresso Internacional Criatividade, Mercado e Diversidade Cultural

11/11/2010

Entre 1 e 3 de dezembro, o Rio de Janeiro recebe o Congresso Internacional Criatividade, Mercado e Diversidade Cultural. Discutir a propriedade intelectual ...

Reunião com entidades discute modernização da LDA

29/09/2010

Mesmo após a finalização da consulta pública para revisão da Lei de Direito Autoral, o anteprojeto continua recebendo sugestões de modernização. ...

Congresso discutirá Direito do Autor e Interesse Público

21/09/2010

Entre os dias 27 e 29 de setembro será realizado em Florianópolis, o IV Congresso de Direito de Autor e Interesse Público. Organizado pela Universidade ...

Direito Autoral

17/09/2010

De 27 a 29 de setembro, UFSC realizará II Congresso de Direito de Autor e Interesse Público O congresso é organizado pela Universidade Federal de Santa ...

Blog

Sobre livros e mercado (Artigo)

02/08/2010

Brasil Econômico | Opinião, Sérgio Vale, em 02/08/2010

Em tempos de Flip (Festa Literária Internacional de Paraty), nada melhor do que uma reflexão sobre dois temas relacionados ao evento. Primeiro, seguindo tendências mundiais, o Brasil tem aproveitado nichos culturais em algumas cidades do país, fazendo delas pólos de desenvolvimento cultural. Não apenas Paraty e seu evento literário, mas Paulínia e seu mais recente pólo cinematográfico e o próprio Rio, que voltou a ser mostrar empenhado em retomar a liderança cultural no país, dão a entender que a cultura começou a virar indústria no Brasil. Indústria no bom sentido, que não gera apenas empregos, mas faz eventos que permitem maior reflexão e espalham conhecimento para quem não tinha acesso. Ainda falta participação do setor público para estimular essas cidades, e eventos como a Flip ainda têm elevada participação do setor privado.

Outro ponto que a Flip traz para a discussão é sobre o fim do livro no formato atual, já que duas mesas no evento tratarão disso com a presença de Robert Darn-ton, especialista no assunto. Com o surgimento de meios digitais e seus aperfeiçoamentos, não levará tempo para que um meio eletrônico acessível e agradável possa substituir efetivamente o livro impresso. Faz parte da evolução tecnológica que isso aconteça e o próprio livro tem que ser entendido como um avanço tecnológico, já antigo, é verdade, mas que permitiu que papiros e livros escritos a mão fossem substituídos. Mas mais do que o meio que se lê em si, a discussão mais premente é sobre os direitos autorais.

Depois de muito tempo, a indústria fonográfica conseguiu certos meios de sobrevivência, que passam pela massificação dos shows de seus artistas, uso dos CDs como propagandas de shows, como tem sido feito por grupos populares no Brasil, e a venda pela internet, que deslanchou principalmente em países onde os direitos autorais são respeitados. No caso brasileiro, o escritor não tem a possibilidade de ganhar a vida fazendo shows como músicos, dependendo quase exclusivamente da venda de seu produto. Num país em que a pirataria ainda prevalece, os leitores digitais poderão ser preenchidos por livros pirateados. Essa experiência é diferente do cinema, onde também pode se piratear. A diferença é que no cinema há a experiência do evento de estar numa sala com várias pessoas, numa tela gigante e em geral como ponto de encontro de amigos. A literatura, por ser um meio cultural de consumo individual, independe desse conceito e é mais aberta à pirataria. Assim, como o escritor poderá lucrar com seu livro?

A tendência é que o retorno caia ainda mais para ele. Saídas que passam pela publicidade virtual nos leitores digitais podem ajudar, mas pela baixa saída dos livros, que em geral saem com edições de três mil cópias, podem não ser suficientes. Afinal, não é de se imaginar que por serem digitais mais livros serão lidos. Assim, o mercado de livros tende a passar por um processo semelhante às dúvidas pelas quais passou o mercado fonográfico, com o agravante de que a solução deverá ser mais difícil.

Sérgio Vale (Economista-chefe da MB Associados)

Be Sociable, Share!

Deixe um comentário

Você precisa logar para postar um comentário.