Frente integrada assume compromisso de defesa do direito autoral

21/12/2010

Uma frente integrada em defesa do direito autoral moral dos compositores foi consolidada, na última quarta (14), saldo da audiência promovida pelo Ministério ...

Novo Prazo

30/11/2010

Edital de Estímulo à Gestão Coletiva de Direitos Autorais O Ministério da Cultura prorrogou até o dia 28 de fevereiro o prazo final para o envio ...

Congresso Internacional Criatividade, Mercado e Diversidade Cultural

11/11/2010

Entre 1 e 3 de dezembro, o Rio de Janeiro recebe o Congresso Internacional Criatividade, Mercado e Diversidade Cultural. Discutir a propriedade intelectual ...

Reunião com entidades discute modernização da LDA

29/09/2010

Mesmo após a finalização da consulta pública para revisão da Lei de Direito Autoral, o anteprojeto continua recebendo sugestões de modernização. ...

Congresso discutirá Direito do Autor e Interesse Público

21/09/2010

Entre os dias 27 e 29 de setembro será realizado em Florianópolis, o IV Congresso de Direito de Autor e Interesse Público. Organizado pela Universidade ...

Direito Autoral

17/09/2010

De 27 a 29 de setembro, UFSC realizará II Congresso de Direito de Autor e Interesse Público O congresso é organizado pela Universidade Federal de Santa ...

Blog

Supervisão de entidades arrecadadoras quer garantir mais transparência ao processo

27/08/2010

Entre as diversas propostas do Ministério da Cultura no anteprojeto de lei que moderniza os direitos autorais no Brasil, está o início de uma supervisão das entidades arrecadadoras pelo Estado. Dentre as mudanças sugeridas, está a obrigatoriedade das instituições em manter atualizados e disponíveis o relatório anual de suas atividades, o balanço anual completo, com os valores globais recebidos e repassados e o relatório anual de auditoria externa de suas contas.

Juliana Ribeiro, cantora de destaque no cenário musical baiano, paga taxa fixa ao Ecad e acredita que a supervisão do MinC será fundamental aos criadores: “A ideia principal é o encurtamento dessas etapas e a transparência das planilhas das empresas arrecadadoras”. A artista entende a medida como necessária, pois, para ela, “o cidadão é o patrão do Estado e nada mais justo que ele preste serviço à sociedade no sentido de intervir a favor dos nossos interesses”.

O representante da Diretoria de Direitos Intelectuais do MinC, José Vaz, reforça que não se trata de intervencionismo do Estado. “Não haverá nenhuma ingerência no princípio do livre associativismo”. Ele ainda explica que caso estas entidades realizem cobrança, precisarão dar publicidade de todos os seus atos.

Segundo Vaz, além disso, o anteprojeto prevê que as instituições precisarão demonstrar eficácia e transparência na realização de negócios dentro do país e buscar a redução dos custos administrativos e dos prazos de distribuição dos valores aos titulares de direitos.

Para Leandro Fregonesi, compositor de sambas do Rio de Janeiro, o principal problema dos criadores é a falta de informação sobre seus direitos e deveres perante as associações distribuidoras e o ECAD. Ele duvida que a supervisão possa resolver a situação, “uma vez que não propõe uma maneira eficiente de “educar” a classe artística brasileira a correr atrás dos seus direitos autorais, da forma adequada, dentro das normas da Lei (atual ou futura)”.
O sambista sugere que o Estado supervisione também os usuários, exigindo o pagamento dos direitos autorais por parte deles e que, só depois disso, seria possível supervisionar o devido repasse aos autores.

Pelo mundo

O Brasil é caso único na América Latina e no grupo de países com os 20 maiores mercados de música do mundo que não possui estruturas administrativas estatais para supervisionar as associações de gestão coletiva. A supervisão das entidades de gestão pública é regra na maioria dos países democráticos. O Estado autoriza o seu funcionamento e monitora a sua atuação.

“É bom ressaltar que não há qualquer intervenção do Estado na gestão interna dessas entidades. Essa inspeção apenas torna transparente tudo o que ocorre internamente. Somente no caso de graves irregularidades, e com base na lei, é que essas entidades podem ter suas atividades de cobrança desautorizadas”, explica José Vaz.

Na Espanha, a situação se repete. As entidades de gestão coletiva são objeto de fiscalização da Comissão de Avaliação e do Sistema de Defesa da Concorrência. Todas as legislações de direito de autor possuem um capítulo que disciplina essa fiscalização. Em alguns casos, como Portugal, Holanda, Áustria e Alemanha, existem leis específicas somente para regular as atividades dessas entidades.

O Estado torna-se, nessas situações, um inibidor da inadimplência. Os tratados e convenções internacionais relacionados aos direitos autorais, como a Convenção de Berna, atribuem aos países a responsabilidade pela garantia do cumprimento das normas relativas aos direitos dos autores. Por isso, um eventual descumprimento do repasse de associações de gestão coletiva dos direitos de autores estrangeiros pode ensejar sanções comerciais ao país no âmbito da OMC.

Autarquia

Para regular a atividade supervisora, o governo estuda a possibilidade de criação de uma autarquia que se responsabilizará pela supervisão sobre as entidades de gestão coletiva. Além disso, deverá promover o respeito à legislação, o oferecimento de serviços de mediação e arbitragem, registro das obras, regulação dos direitos autorais, bem como o incentivo a sua criação e apoio ao seu funcionamento, dentre outras funções.

A consulta pública para modernização da lei de direitos autorais chega ao final no dia 31 de agosto. Para contribuir na construção da nova lei acesse:  http://www2.cultura.gov.br/consultadireitoautoral

(Sheila Rezende, Comunicação Social/MinC)

Be Sociable, Share!

Deixe um comentário

Você precisa logar para postar um comentário.