domingo, 19 de fevereiro de 2017 RSS Ouvidoria Fale com o Ministério
« Voltar Imprimir

Alain? (Caetano Veloso)

O Globo (Segundo Caderno), Caetano Veloso, 06/03/2011

Alguém me disse que DVDs piratas de filmes indicados ao Oscar estão por R$20 em pontos de venda nas áreas nobres da Zona Sul do Rio. Há pouco tempo o preço era R$5. Neguinho compra hoje um DVD ilegal por um preço que faz pouco era o que se pagava na Modern Sound. Bem, R$15, me dizem, se for um filme comum. Mais caro se for “filme do Oscar”. Devemos pensar primeiro na inflação ou nos copyrights? Os filmes têm diretores, produtores, roteiristas, músicos, fotógrafos – e pelo menos esses vivem dos proventos gerados pelos direitos de cópia. Isso para falar em termos gerais, americanizados, em vez de fazer referência ao direito do autor, mais específico. Que se vendam cópias piratas assim com tanta facilidade em bairros de gente fina é sinal de que o respeito à propriedade intelectual está mesmo em baixa. Que o preço dessas mercadorias ilegais tenha subido tanto e tão rapidamente mostra ao mesmo tempo que o sucesso da pirataria é inegável e que a inflação está aí assombrando mais do que Natalie Portman. Como educar seu filho para que ele não baixe obras artísticas de graça na internet? Eis uma velha (já bem velha) pergunta que exige ser repetida. É o outro lado da moeda da discussão que finge resumir-se a Creative Commons versus Ecad, Gil versus Ana ou mesmo (incrível!) direita versus esquerda.

O esquerdismo de Emir Sader (que é do tipo torcida organizada) apareceu num comment que vi na internet (ao ler uma entrevista de Grassi num site) como oposto a uma suposta regressão conservadora da ministra Ana, que não age como se a internet fosse grátis e devesse ser sempre livre. Na mesma página, um outro cara (ou teria sido o titular de um outro site a que cheguei a partir de um link encontrado naquele?) caracteriza o ex-ministro Gil e “seu parceiro” (serei eu ou será o Juca?) de “direitaças”. Sader dançou da Casa Rui (coisa pela qual eu torcia) e saiu demonstrando estar mais para o Lessig do que para o Aldir. Bagunça no PT. Eu, fora de partidos e torcidas organizadas (as desorganizadas são mais abertas à racionalidade, mesmo quando parecem caprichos de indivíduos), continuo crendo que a ministra Ana pode estar demonstrando cuidado com o tema, não necessariamente birra com o grupo Gil. Sou demasiado otimista? Ou quem sabe simplesmente gosto de quando há bagunça no PT?

(A íntegra do artigo está na edição do O Globo do dia 06/03/2011)

Compartilhe:
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • MySpace
  • TwitThis
  • email
  • LinkedIn
Reproduzido conforme o original, com informações e opiniões de responsabilidade do veículo.

Participação do Leitor

Espaço reservado exclusivamente para comentários acerca da matéria ou publicação veiculada nesta página. Solicitação de informações ou dúvidas devem ser encaminhadas por meio do Fale com o Ministério; reclamações ou denúncias devem ser dirigidas para Ouvidoria.

*

max. 1000 caracteres


Regras para comentários:

1. Os comentários terão moderação desta Assessoria de Comunicação.

2. Comentários que fujam ao teor da matéria serão excluídos.

3. Ofensas e quaisquer outras formas de difamação não serão publicadas.

4. Não publicamos denúncias. Nestes casos, serão enviadas à Ouvidoria, que as encaminhará aos órgãos cabíveis.

5. A postagem de comentários com links de matérias não produzidas por este ministério será excluída.

6. Respostas a questionamentos e esclarecimentos exigem consulta, impedindo-nos, por vezes, retorno imediato.



3 comentários

  • ANDRÉ BARROS

    10 de março de 2011

    Os sambas do Império Serrano são os mais tocados pelo Rio de Janeiro. Seus compositores nem são lembrados e a escola está na segunda divisão. Tudo cascata Caetano, seu comentário é igual dos proprietários de imóveis, que lamentam a situação da velhinha de copacabana tem apenas um imóvel, mas defendem os tubarões com milhares de propriedades!

  • Jorge Antunes

    8 de março de 2011

    É admirável a doce arte do Sr. Caetano que continua a escrever pouco e não dizer nada! A concisão e a abrangência lembram um pouco os bilhetinhos do Jânio Quadros.
    A eterna pretensão intelectual continua a enganar incautos, iludir editores e jornalistas que abrem espaços à bajulação aos detentores do poder.

  • Junior Perim

    7 de março de 2011

    Cara Ministra,

    Estou entre aqueles que vem acompanhando o debate sobre vossas posições acerca dos direitos autorais, mas com o devido cuidado e maturidade de esperar o tempo necessário da Sra. tomar pé da situação, rito que envolve a assunção à qualquer função pública.

    Mas não posso concordar que a todo momento o MinC escolha utilizar as opiniões do Sr. Caetano Veloso como meio de defesa de suas posições. Devol lhe alertar sobre duas questões: o Caetano fala para uma minoria e não influencia aqueles que hoje lhe criticam. Fora isso esta artigo em que diz “Neguinho compra hoje um DVD ilegal”, sublinho, ‘NEGUINHO’ soa em meu ouvidos como algo racista, do contrário ele poderia dizer ‘neguinho e branquinhos’…

    Então Exma. Sra. Ministra alerto: o site do MinC não deveria reproduzir opiniões políticas, a menos que também o fizesse dos contrários; e não deveria (penso) difundir conteúdo com traços racistas.

    Saudações e crença de que V.Ex. saberá implementar um bom diálogo.

    Resposta: Junior, o MinC não escolhe opiniões como meio de defender-se. Todos os textos relacionados ao tema são reproduzidos na área Na Mídia.