terça-feira, 21 de fevereiro de 2017 RSS Ouvidoria Fale com o Ministério
« Voltar Imprimir

Cinco editais para criadores e produtores negros

MinC e instituições vinculadas prorrogam o prazo de inscrições para até 25 de março

“Atenção você que é negro ou negra, com mais de 18 anos, o Ministério da Cultura tem um convite para você e vale até o dia 25 de março. Produtor ou artista que se auto-declara negra ou negro, que trabalha com as linguagens de cinema, de literatura, pesquisa de bibliotecas, de artes visuais, circo, música, dança e teatro, os concursos foram feitos para você.

Saiba sobre os projetos aqui no site do MinC. Tire as suas dúvidas e deixe as suas perguntas. Nós vamos esclarecer. São prêmios profissionais, no total de R$ 9 milhões,  garantidos nas cinco regiões do país, numa política de reparação histórica do Governo Dilma. Uma parceria do  Ministério da Cultura e da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial – Seppir”.

O chamamento do Ministério da Cultura enfatiza a importância dos editais voltados aos produtores e criadores negros e para o fato de que eles tiveram o prazo de inscrições prorrogado, oferecendo mais chance de participação.

Os editais são de responsabilidade da Secretaria do Audiovisual (SAv) e de duas instituições vinculadas ao MinC: Fundação Biblioteca Nacional (FBN) e Fundação Nacional de Artes (Funarte),  em parceria com a Fundação Cultural Palmares (FCP) e a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), da Presidência da República.

O objetivo dos processos seletivos é proporcionar aos produtores e artistas negros oportunidade de acesso a condições e meios de produção artística, conforme estabelecido pelo Plano Nacional de Cultura (Lei 12.343/2010) e pelo Estatuto da Igualdade Racial (Lei 12.288/2010). Foram lançados no dia 20 de novembro de 2012, em São Paulo.

Curta-Afirmativo –

ALTERAÇÕES FORAM  INSERIDAS NESSE EDITAL – ACESSE O NOVO LINK

Realizado pela Secretaria do Audiovisual, o Edital de Apoio para Curta-Metragem – Curta Afirmativo: Protagonismo da Juventude Negra na Produção Audiovisual é voltado para o fomento de seis obras audiovisuais de curta-metragem inéditas, produzidas ou dirigidas por jovens negros de 18 a 29 anos e com duração entre 10 e 15 minutos. Cada curta terá o investimento de R$ 100 mil.

As produções deverão apresentar temática livre, podendo ser ficção ou documentário, com a possibilidade de utilização de técnicas de animação. A avaliação será baseada em critérios variados, como caráter inovador da obra; qualidade do roteiro; plano de distribuição e amplitude do acesso; além de exequibilidade orçamentária. As inscrições serão realizadas por meio do sistema Salicweb.

Mais informações: concurso.sav@cultura.gov.br

Acesse o edital na página da Sav

Arte Negra

A cargo da Fundação Nacional de Artes está o Prêmio Funarte de Arte Negra. Serão selecionados trinta e três projetos nas áreas de artes visuais, circo, dança, música, teatro e preservação da memória que contemplem a diversidade de expressões artísticas. Serão quatro prêmios nos valores de R$ 200 mil; 12 prêmios de R$ 150 mil; e 17 prêmios de R$ 100 mil.

Os trabalhos serão avaliados por uma comissão de seleção composta por 12 membros, indicados pela Funarte e pela Seppirl. O material de inscrição deverá ser enviado por Sedex, em envelope único, para: Rua da Imprensa, 16 – 6º andar/ Setor de Protocolo – Castelo – Rio de Janeiro – RJ – CEP 20030-120, conforme instruções previstas no Edital.

Acesse todas as informações sobre o prêmio da Funarte

FBN: Autores Negros

Três editais estão abertos na área da Fundação Biblioteca Nacional.  Um deles é o Edital de Apoio à Coedição de Livros de Autores Negros, cujas inscrições, diferencialmente da dos demais, serão encerradas no dia 30 de abril.

O objetivo é a formação de parcerias para o desenvolvimento de projetos editoriais sob a forma de coedição, com vistas à produção de publicações de autores brasileiros negros, na forma de livros, em meio impresso e/ou digital. A finalidade dos trabalhos é a de divulgar, valorizar, apoiar e ampliar a cultura brasileira dos afrodescendentes, em geral, e dar maior acessibilidade à sua produção cultural, artística, literária e científica.

Leia o Edital

Pesquisadores negros

Outra seleção aberta no setor da FBN é o Edital de Apoio a Pesquisadores Negros, cujo Aviso de Prorrogação das inscrições para 25 de março foi publicado nesta quinta-feira, 17 de janeiro, no Diário Oficial da União (seção 3, página 15).

O objetivo é a seleção de projetos de pesquisa para concessão de bolsas, propostos por pesquisadores e pesquisadoras negras, visando incentivar a produção de trabalhos originais, em território brasileiro, em qualquer uma das áreas e subáreas do conhecimento definidas pelo CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).

Serão concedidas até 23 bolsas, com desembolso mensal, por um período de um ano para pesquisadores negros brasileiros, natos ou naturalizados.

Leia o Edital

Pontos de Leitura

Também está aberto o Edital de Seleção de Projeto para Implantação de 27 Pontos de Cultura Negra, do qual poderão participar da seleção instituições públicas ou privadas sem fins lucrativos cuja  finalidade se relacione diretamente às características dos programas e ações das quais irão concorrer.

O edital se propõe a selecionar um projeto que tenha como objetivo a implantação de 27 pontos de leitura em entidades privadas sem fins lucrativos selecionadas por edital público e desenvolvimento de atividades de mediação de leitura, criação literária, publicação, seleção de acervo e pesquisa, por entidades da sociedade civil que tratem de ações voltadas para a preservação da cultura negra e ações afirmativas de combate ao racismo no país.

Os proponentes deverão inscrever suas propostas no portal de convênios/ Siconv

Acesse o Edital

(Marcos Agostinho e Glaucia Lira, Ascom/MinC)

Compartilhe:
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • MySpace
  • TwitThis
  • email
  • LinkedIn

Participação do Leitor

Espaço reservado exclusivamente para comentários acerca da matéria ou publicação veiculada nesta página. Solicitação de informações ou dúvidas devem ser encaminhadas por meio do Fale com o Ministério; reclamações ou denúncias devem ser dirigidas para Ouvidoria.

*

max. 1000 caracteres


Regras para comentários:

1. Os comentários terão moderação desta Assessoria de Comunicação.

2. Comentários que fujam ao teor da matéria serão excluídos.

3. Ofensas e quaisquer outras formas de difamação não serão publicadas.

4. Não publicamos denúncias. Nestes casos, serão enviadas à Ouvidoria, que as encaminhará aos órgãos cabíveis.

5. A postagem de comentários com links de matérias não produzidas por este ministério será excluída.

6. Respostas a questionamentos e esclarecimentos exigem consulta, impedindo-nos, por vezes, retorno imediato.



84 comentários

  • Meire Maria

    24 de março de 2013

    A oportunidade é fabulosa! Principalmente para nós negros, que temos sim dificuldades às vezes para encontrar incentivo e mercado para nossa arte, que defende, divulga e registra aos saberes e fazeres da raça negra… Mas fiquei ARRASADA ao constatar que como coreógrafa, meus bailarinos OBRIGATORIAMENTE devem ser pretos… Isto não é legal não…Fiquei decepcionada, pois de certa forma a secção continua…

    RESPOSTA: Meire, caso o edital que voce faz referencia seja o da Funarte, entre em contato através do email cepin@funarte.gov.br para mais informações e esclarecimentos.

  • ANA CRISTINA MORAIS

    22 de março de 2013

    Desculpe, mas só tive acesso hoje, dia 22, e não tenho como enviar. Sou carente, mas na minha comunidade já escrevi mais de 33 roteiros e produzi alguns com registro apenas em vídeo, mas a parte escrita não tem acabamento profissional. Desejo ser roteirista e procuro uma oportunidade ou curso, mas não temos na Paraíba e não tenho como fazer fora, visto que não tenho condições financeiras. Minha vida é escrever, quero isso pra sempre, mas preciso de incentivo para não me tornar uma “Van Gogh” tupiniquim… ajudem-me.

    RESPOSTA: Ana, as inscrições encerram hoje. Ainda tem tempo para inscrever-se nos editais. Boa sorte.

  • MANA PONTEZ

    22 de março de 2013

    Prezados Senhores,
    Gostaria de saber se o roteiro é obrigado a ter o registro na Biblioteca Nacional no ato da inscrição
    ou se podemos apresentar posteriormente caso ganhemos o prêmio.

    Grata,

    RESPOSTA: verifique as regras contidas no Edital. Cada edital dispõe de um e-mail para esclarecimentos específicos. Entre em contato pelo e-mail disponível para este fim.

  • Thiago

    21 de março de 2013

    COISAS DO MEU PAÍS!

    O incentivo maquiado do preconceito racial, um bom lugar para ter a certeza que todo direito conquistado acaba segmentado.

  • Antonio Elizeu de Oliveira

    20 de março de 2013

    Boa-tarde!
    Pelo que entendi, o edital “autores negros” é para publicação de livros, em parceria com uma editora ou sociedade que tem objetivo publicar livros.
    Então, tenho já digitado 2 livros de textos, crônicas e artigos, perfazendo um total de mais de 500 páginas/word. Pesquisei e fiz artigo acadêmico para a PUC Minas e o desejo é continuar essas pesquisas, para publicar livro, sobre a 1ª televisão em MG.
    Quais as possibilidades de tais publicações?
    Atenciosamente,
    Antonio ELIZEU de Oliveira

    RESPOSTA: Para esclarecimento de dúvidas a respeito deste Edital, o interessado poderá encaminhar e-mail para cgpe@bn.br ou entrar em contato com o Centro de pesquisa e Editoração (CPE), da FBN, através dos telefones (21) 3095-3806 ou (21) 3095-3836.

  • Johni Buratti

    18 de março de 2013

    Interessante como os conceitos de racismo não se aplicam quando favorecem os negros e não os brancos. Sou descendente de europeus e não venho de família rica, mas já que sou branco não preciso de auxílio do governo, não é? O projeto me parece apenas racista e segmentador.

  • Marcos

    16 de março de 2013

    Olá boa noite,

    Gostaria de saber até quando estarão abertas as inscrições para o Prêmio Funarte de arte negra?

    RESPOSTA: 25 de março.

  • WILLIAM MORAES CORRÊA (GRUPO FOLIÕES - SÃO LUÍS - MA)

    15 de março de 2013

    Houve oficina aqui em São Luís. Pouco divulgado, poucas pessoas, mas foi proveitoso. Porém, essas oficinas não tiram todas as dúivdas. Contudo, será um dos mais disputados editais dos últimos anos. Precisamos de masi oportunidades dessa naureza. Agora, é preciso que tenhamos a parceria e o acompanhamento do MinC, orientando também a consumação dos projetos.

  • Aurélio Nogueira de Sousa

    15 de março de 2013

    Uma pergunta cadê as oficinas para o pessoal do Centro Oeste, o prazo de inscrição neste edital e até 25 de março esta chegando cadê a oficina? e o terceiro email que mando e ninguém não da nenhuma infromação?

    RESPOSTA: Aurélio, entre em contato com o Canal Fale com o Ministério: http://migre.me/daEsL

  • sonia maria da costa

    15 de março de 2013

    Faço escultura em ceramica na Bahia posso participar.sou negra

  • Gastão Soares

    13 de março de 2013

    Prezados Srs

    Como nasci com a pele clara, gostaria de saber se devido à minha cor estou impedido de fazer parte desse edital.
    Isso não é discriminação racial?
    Onde está a igualdade?
    Obrigado pela atenção

    RESPOSTA: O proponente o projeto deve ser declarado negro. O objetivo dos processos seletivos é proporcionar aos produtores e artistas negros oportunidade de acesso a condições e meios de produção artística, conforme estabelecido pelo Plano Nacional de Cultura (Lei 12.343/2010) e pelo Estatuto da Igualdade Racial (Lei 12.288/2010).

  • Tânia Amorim

    12 de março de 2013

    jalves
    A iniciativa de abrir concursos e editais para negros é um desdobramento da audiência pública sobre implementação de políticas de incentivo à cultura e às artes negras, realizada em agosto/2012, na Câmara dos Deputados, em Brasília. A fim de romper as barreiras do racismo institucional nas entidades culturais, com aspirações populares por Democracia, Transparência e o fim da corrupção, surgiu em março/2012, o coletivo AKOBEN. Formado por importantes artistas e produtores negros, residentes no Rio de Janeiro, interessados em uma Política Cultural honesta e democrática, esse coletivo conta com apoio dos maiores grupos de arte negra do país. No dia 21 de agosto o coletivo AKOBEN participou da Audiência Pública promovida pela Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos deputados para debater implementação de uma política de patrocínio, por meio de editais e linhas de financiamento para o incentivo à cultura e artes negras nas suas variadas formas. Quem é inferior intelectualmente?

  • Karin

    12 de março de 2013

    Onde estão os editais para indígenas, nordestinos então?
    Cultura, entre outras definições, é algo que caracteriza um povo. Nesse caso, o povo é o brasileiro e não somente o negro…
    É claro que a cultura africana ou afro descendente é interessantíssima e deve ser pesquisada e incentivada, mas não pode ser critério de edital do MINC!

    • Tânia Amorim

      12 de março de 2013

      Prezada Karin
      O edital, ao qual você se refere, não foi um presente dado pelo Minc, tampouco pelo Governo, mas, uma conquista dos negros deste país. No dia 21/agosto/2012 um coletivo de artistas e produtores negros – AKOBEN – foi à Brasília cobrar transparência e comprometimento com as artes negras e debater a implementação de uma política de patrocínio, por meio de editais e linhas de financiamento para o incentivo à cultura e artes negras nas suas variadas formas, numa Audiência Pública promovida pela Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos deputados. O coletivo AKOBEN surgiu em março/ 2012, reunindo importantes artistas e produtores negros residentes no Rio de Janeiro que tentam romper as barreiras do racismo institucional nas entidades culturais, e conta com apoio dos maiores grupos de arte negra do país. Você não é negra? quer conquistas para sua etnia? para o seu grupo? ORGANIZE-SE E LUTE!

    • Romeu Lourencao

      19 de março de 2013

      Concordo plenamente. Os nordestinos, principalmente, são completamente excluídos da mídia, das artes cênicas e até mesmo do MinC.
      Além disso, somos um país pardo. Começar a estabelecer “raças”, privilegiando algumas em detrimento de outras, é condenar o Brasil a acabar como os EUA, que não são um povo, mas uma união de povos diferentes (hifenizados) e muitas vezes antagônicos.
      Há que se ter cuidado com certas abordagens.

  • jalves

    12 de março de 2013

    Eu não entendo muito uma coisa: todos querem a igualdade racial, cultural, etc. Mas abrem concursos, editais, etc, apenas para os negros. Por que? Os negros são inferiores, intelectualmente? Não conseguem concorrer com os da raça amarela, branca, índia?
    Então, por que não abrir editais para os da raça amarela, índia, branca…?

  • Vagner Vasconcelos

    12 de março de 2013

    Por que essa restrição de idade?
    Existem tantas pessoas com qualidade artística e técnica que pode contribuir para essa campanha afirmativa.
    Tenho 39 anos e adoraria participar com meu conhecimento histórico e artístico, visto que sou dono de um estudio de animação, e acredito poder realizar uma obra que, de fato, seja apreciada pela audiência.
    Tenho um projeto antigo sobre Zumbi que adoraria ver sair do papel e ser levado à publico.
    Existe a possibilidade de abranger mais o escopo de idade?

    RESPOSTA: Para obter informação envie mensagem para Fale com o Ministério: http://www2.cultura.gov.br/site/fale-com-o-ministerio/

  • Ana Márcia Ferreira de Araujo

    12 de março de 2013

    AMEI É GOSTOSO TRABALHAR COM A IGUALDADE RACIAL

    • Karin

      12 de março de 2013

      Se é igualdade racial, porque o dia do índio não é feriado também?
      Os negros são uma raça então?
      Desculpe não tenho raça, eu sou cidadã brasileira.

  • Rogério Moreno

    11 de março de 2013

    Muito se tem dito sobre discriminação racial, porém pouco se tem feito em termos de reparação, se imaginarmos matafóricamente uma maratona onde um pelotão de elite larga na frete, e confrontarmos resultados dos vencedores, chegaremos a conclusão que em raras oportunidades o pelotão intermediário ganha, agora imagine uma corrida cultural onde uma determinada classe no caso a Negra larga duzentos anos atrás da outra, como igualar isso?
    È difícil, com todo certeza sim, porém ações como este prêmio da Funarte, Cotas e outras formas de ajuda são um começo não diria para reparar, mas para começar a igualar as futuras gerações, porque nada repara o dano sofrido, mas muito pode e deve ser feito para que nos próximos 50 ou 100 anos essa desigualdade seja apenas um fato histórico, como um dia foi a escravidão!

    • clara-mei

      15 de março de 2013

      Justíssimo!!! Tomando o hiperdesenvolvimento cultural, social e econômico da própria Africa, como referência… Refaço a pergunta: Como REPARAR ISSO???
      Sou de cor branca, filha de imigrantes. andei 5 km. à pé, descalça sobre a geada, rumo a escola pública. Gostaria hoje de saber: Quando na história deste País, houve um concurso público em que negros eram vetados? Quando a Lei Brasileira proibiu crianças negras a frequentar a escola? Lamentavelmente! O Brasil sempre foi racista. Antes contra os negros, hoje contra os brancos.

    • Romeu Lourencao

      19 de março de 2013

      Eu concordaria com você se houvesse uma raça negra pura (a regra da gota de sangue americana), mas o Brasil é pardo. Já houve tanta miscigenação que não dá pra falar em “raça negra”.
      Agora, com os nordestinos (os “racialmente” sertanejos) que também sofreram discriminação e sempre foram socialmente preteridos, com eles ninguém se preocupa. Nem tampouco com os índios.
      Me parece um pouco de hipocrisia e descaso esse enfoque exagerado nos negros, em detrimento de outros prejudicados, inclusive os brancos destituídos.

  • Henrique

    11 de março de 2013

    Dúvidas sobre o Edital de Pontos de Leitura:

    O edital selecionará uma única entidade para implantar 27 Pontos? É isso mesmo? Qual a base territorial para implantação desses 27 pontos?
    Como se dará a seleção das entidades?
    A entidade proponente e as entidades selecionadas se relacionarão como?

    RESPOSTA: você pode obter informações enviando mensagem para Fale com Ministério: http://migre.me/dDNAK

  • Malu

    10 de março de 2013

    Olá, acho importante para o avanço dos negors e negras ligados a área da cultura este tipo de edital que coloca o negro e sua produção cultural em evidência. Mas gostaria de fazer uma indagação por que no edital de Arte Negra, não se evidenciou a capoeira, como uma linguagem especifica, como meio ou como fim, acho que o mundo já entende as multiplas linguagens inerentes a capoeira, mas da forma que foi colocado no edital, nós capoeiristas, nos sentimos colocados á margem, já que no item currículo vai ser dificil disputar, se decidimos regirstar em foto a nenória do nosso grupo ou mestre, iremos ficar em desvantagem para um fotografo profissional negro, Espero que tenham compreendido a nossa preocupação, e pense nos próximos editais: A Capoeira, Arte Negra, do Brasil e do mundo. Eu aindo tenho sonhos, como Luther King! vamos dar cor a produção cultural e empoderar também a maioria da população brasileira,que é de afro-brasileiros. Vamos mostrar nosso jeito de ver e sentir o mundo, Axé

  • Adrien Gyato

    10 de março de 2013

    LINDA PROPOSTA. O BRASIL DEVE CAMINHAR NESSAS SENDAS. PARABÉNS NEGROS E NEGRAS BRASILEIROS. APROVEITEM!

  • Don Joey

    9 de março de 2013

    No caso de inscrição de um projeto de cultura hip hop, poderá ser incluido a dança e a arte visual junto com as apresentações musicais.
    Sera o sereno?

    RESPOSTA: para obter informações envie mensagem para Fale com o Ministério no link: http://migre.me/dDMK7

  • isadora

    7 de março de 2013

    Como vi que algumas perguntas foram respondidas aqui mesmo, aproveito para indagar o seguinte: trabalho com uma companhia de dança de linguagem indiscutivelmente negra. O proponente é negro e 8 dos 11 integrantes do elendo são também indiscutivelmente negros ou pardos. Os outros 3, ainda que se declarem pardos, têm tom de pele mais claro (todos são misturados, mas, visualmente, são, digamos, mais brancos que negros). Isso impede a participação? Obrigada.

    RESPOSTA: O proponente o projeto deve ser declarado negro. O objetivo dos processos seletivos é proporcionar aos produtores e artistas negros oportunidade de acesso a condições e meios de produção artística, conforme estabelecido pelo Plano Nacional de Cultura (Lei 12.343/2010) e pelo Estatuto da Igualdade Racial (Lei 12.288/2010).

  • Isadora

    7 de março de 2013

    Com quem entramos em contato no caso de dúvidas a respeito do edital (Arte Negra)?

    RESPOSTA: A Funarte disponibilizou um documento com as perguntas e respostas mais frequentes. Veja se sua dúvida já está esclarecida por lá. http://migre.me/dAk0q. Caso contrário, entre em contato com a própria Funarte.

  • Jhennifer Krisna

    7 de março de 2013

    Oi, gostaria de saber se quando um projeto não é aprovado se a gente tem acesso a analise pra saber os erros e os acertos no conteudo do projeto?
    Me refiro ao Edital do premio FUNART de Arte Negra.
    Espero resposta.

    RESPOSTA: Neste caso, o Edital ainda está aberto. Saiba mais sobre as chances de aprovação no Edital acessando as perguntas e respostas mais frequentes no link http://migre.me/dAGcA

  • Taynara Ramos

    28 de fevereiro de 2013

    Até quando a cor da pele vai ser mais importante que a inteligência e a criatividade de viver?
    Indignada!

    • Alex Ferreira

      7 de março de 2013

      Querida, no mínimo vc é branca e deve ter estudado em escolas particulares. Ou então, vc é negra e dessas que gostam de se sentir branca, porque esse seu comentário é resultado da ideologia plantada pelos nossos algozes. Nos Estados Unidos, onde se reconhece a existência de preconceito, (e eles assumem isso) há uma faculdade apenas para negros que funciona desde o século XIX, é a Howard Universit. Leia um pouco mais e veja que esses editais é para reparar um dano causado por aqueles que alegavam que neste país não havia racismo.
      Vc gosta de Monteiro Lobato? E Ruy Barbosa? Leia um pouco mais e vc saberá que seu comentário foi mais do que infeliz.

  • Roger

    28 de fevereiro de 2013

    Isso não é nada menos do que RACISMO.
    Sou brasileiro e me considero branco. A cultura negra é tão brasileira para branco quanto para negros , ou qualquer outra etnia. A diversidade cultural tem que ser democrática e não preconceituosa como essa licitação prega.
    Eu e um amigo estamos produzindo um pequeno documentário sobre a procissão de Iemanjá realizado no último dia 2 de fevereiro. Estamos fazendo porque achamos o assunto interessante. Não participamos de nenhuma religião presente na procissão, apenas respeitamos. O fato de sermos brancos nos tira o direito de entrar nessa licitação. Estamos finalizando sem recursos e, certamente, sem receber um centavo que seja. Mas estamos fazendo porque gostamos de fazer, e achamos o assunto interessante e relevante. O problema do Brasil é querer concertar um erro cometendo outro.